Segunda-Feira

Segunda-Feira tem como você ser feliz, o problema é que você tem que olhar pros detalhes ou escolher o que vai ser do teu humor por esses detalhes, porque não costumam acontecer grandes coisas nesse dia.
É uma mensagem do amiguinho que te tira uma risada boba, aquele GIF que te fez lembrar uma situação do final de semana, a ressaca que se tocou que tinha que passar, a dieta que você conseguiu começar ou almoço generoso que você se deu o luxo só por ser segunda-feira.
Segunda-feira é como essas duas últimas opções:
A tristeza de ter quebrado a dieta ou a felicidade de ter comido um Big Mac.
A felicidade de ter mantido a dieta ou a tristeza de ter vontade de um Big Mac e não ter comido.

Anúncios

.O quarto escuro.

Ta tudo no escuro. Não da pra enxergar nada. Existe um interruptor que pode romper a sua incapacidade de ver.
Você acende a luz ou não?
Pode ser que o que você veja seja bom ou ruim.
Pode ser uma tragédia.
Fracasso total.
Pode ser o mais belo.
Felicidade pura.
É 8 ou 80.
Um pulo no escuro.
Queda amortecida ou doída.
Existem pessoas que passam a vida toda no escuro com medo de ver, pular, doer, viver.
Ou acendem só uma faísca.
Tem gente que acende um holofote, chama até atenção do quarto ao lado, mas se isso faz com que conheça o fracasso, sai correndo. Bate a porta. Entra em outro quarto escuro.
Se fecha, se tranca e joga o holofote fora pra nunca mais.
E tem gente que vive com a tocha acessa na mão, entra em inúmeros quartos, vê coisa ruim, sai. Tranca a porta e deixa uma placa “não volto mais!”. Entra em outro, conhece o mais belo conjunto de cores, leva o que teve de bom, sai. Deixa porta, janela aberta e o aviso “volto logo, só preciso espalhar essa luz por aí, tem muito escuro pra ver…”
ARRISQUE-SE!

(Des)acelera!

ACORDA!
Que o que era pra ontem e ontem já foi. Vai ter que correr. É… Tinha que correr. Entra em forma. Reforma. Se vira. Já virou. Não para. Para no trânsito. Anda que a fila anda. Vai mais. O que mais? Ah, tem o livro. Aniversário do amigo. Comprou presente? VAI DE CORPO PRESENTE. A cabeça tá em outro lugar. Celular, inbox, whatsapp. Melhor desligar, mas… E se alguém ligar? Vai que é URGENTE sempre é então vai mais. Já foi a semana, fim da semana e o mês E ERA TUDO PRA ONTEM. Academia. Almoço de família. Reunião de condomínio. Happy hour. NEM RESPIRA. Que horas são mesmo? Transpira. Pira. Vai mais. Senão da conta. Pior, tem as contas. Conta até 10. Até 5. Era pro dia 5. É, não vai dar tempo. Chega o email. Faz check in. Esqueceu do check up. Nem pensa em parar. Se ocupa. Preocupa. MAS PARA. Para tudo. Respira. Preocupação não resolve nada.
Desacelera. Responde. O que realmente importa?
De, mais, pausas, na, sua, vida.”

Autor Desconhecido.

.ser seu próprio d(eu)s.

Imagine que cada cabecinha de um ser humano é um mundo ambulante e particular.
Aonde cada um pode criar o que quiser, ser o que quiser, fazer o que quiser, só ali dentro, ser dono de si mesmo, de seus próprios pensamentos, sem qualquer restrição. O único lugar aonde nada te impede de fazer algo que você queira. Onde ninguém te vê, ninguém te descobre. É você sendo seu (sem contar as vezes em que você pode ter a sensação de fazer tudo na vida real, através dos sonhos). É lá que você pode transmitir energias positivas pra você mesmo, pra outra pessoa, não importa a distância que ela esteja. Pode se enganar e depois perceber que quem estava errado era você mesmo e não uma terceira pessoa, que quem estava te enganando era você e ninguém mais. Pode delirar, ter medo, e logo depois pensar em ser corajoso por algum motivo que fez o teu medo ir embora, pode rir sozinho nadando nas suas lembranças, chorar, e ao mesmo momento alcançar o ápice de um sentimento bom, por ter lembrado de algo te resgatou enquanto você chorava, pode visitar a oficina do diabo e sair VIVO, mesmo tendo enfrentado o pior dos demônios e ainda pode sentir que você consegue voltar naquela oficina mais e mais vezes, se sentir péssimo, mas ainda assim estar vivo com alguma esperança de que tudo pode ficar bem, porque você esteve bem em algum momento e se pergunta por que não posso estar bem outra vez?
Por fim, admirável é pensar que poucas pessoas no mundo acham isso “mágico” por terem nascido assim ou por apenas nunca terem parado pra pensar no quanto isso é fascinante.
Isso já não seria divino? Isso não seria Deus? Você sendo SEU Deus? Por que outro Deus?

– Ozzim, L.

.apenas um segundo.

Uma das coisas que mais se aprende em um relacionamento talvez seja perdoar e “esquecer”.
Perdoar deve ser a parte mais importante, ou até mesmo uma das chaves pra porta CERTA de um relacionamento se abrir e continuar aberta.
Porque quando você ama, você erra demais por amar demais, por tentar proteger.
E aí, muitas vezes, você tem que fingir que esqueceu que seu parceiro errou, fingir que esqueceu, pensando que você, um dia, possa cometer erros também, até maiores, por amar demais.
Fingir que esqueceu, pra depois esquecer realmente.
Depois, você comete erros também, acontecem discussões, brigas e se “esquece” que alguém errou.
Por isso, o mais difícil nessa brincadeira de se relacionar deve ser ficar anos e anos com uma pessoa só, porque se elas não aprendem a perdoar E esquecer, guardam uma bagagem de erros, aguardando a próxima briga e pronto, joga-se todas as malas carregadas de erros pra cima do outro. Desgaste.
Entende? Não só perdoar, mas também esquecer, pra não jogar na cara tudo o que se PASSOU, pois uma das piores coisas que existem é ficar relembrando erros que já ficaram pra trás e se dizem ‘perdoados’.
Tudo isso porque, os casais que se amam demais, eles se odeiam por apenas alguns segundos, enquanto estão brigados, enquanto se lembram de seus erros, enquanto não se perdoam, mas após perdoados, se amam mais.

– Ozzim, L.

.ah, eu encontrei!.

Você espera, você espera mais.
Você espera encontrar tudo o que deseja em um pacote só.
Espera mais.
Encontra vários pacotes, um com parte dos seus desejos, outro com outra parte que faltava no primeiro pacote.
E aí você joga fora esses pacotes, porque não te satisfaz completamente ter uma ou outra parte dos seus desejos.
Aí você volta a esperar.
Espera.
Espera.
Mais.
E mais.
Aí você se cansa de esperar e vai procurar.
Procura.
Procura.
Mais.
E mais.
Aí você se cansa de procurar.
Depois de todo esse tempo, todos esses anos que se arrastaram, depois de todo esse tempo que te fez desistir de esperar e procurar, quem vem ao seu encontro?
Um pacote enorme transbordando de todos os seus desejos, você os vê saindo pelas bordas do pacote, desejos que nem você sabia que tinha, mas era tudo o que você mais queria que acontecesse.
Sabe quando você não espera que aconteça algo, mas quando acontece, é tudo o que você sempre quis?
É isso.

– Ozzim, L.