.desenhe suas asas.

IMAGINE:
dizem que nada é impossível.
se você for ver BEM, BEM MESMO, têm coisas que são realmente impossíveis.
mas se você for imaginar BEM, BEM MESMO, as coisas impossíveis se tornam tão possíveis quanto respirar.


então junte a visão com a imaginação e forme um equilíbrio.
não um equilíbrio como o da razão e a emoção, porque esse equilíbrio não existe!
mas um meio termo que realmente exista entre os dois.
dependendo de como você VER ou de como você IMAGINA,
você vai imagiver que até voar com os pés no chão na falta de asas é possível.

– Ozzim, L.

.nada se esquece!.

Como se duas pessoas escrevessem o inesquecível com lápis 6B, e quando uma mão se solta, o lápis vacila e cai. Aí você tenta apagar, pode ser com a melhor borracha que existe, sempre ficam marcas das palavras.
E quando a fraqueza faz presença, tentar reler é inevitável e você é o que melhor entende essas marcas, mesmo não sendo nítidas. Se lembra de como as coisas eram quando tudo fazia sentido.

A fraqueza é passageira – SORTE! – agora é a parte da coragem fazer presença. Largar a borracha e apanhar o lápis outra vez, para escrever o começo de outra história.
Mas não faça isso com a intenção de esquecer COMPLETAMENTE o que você TENTOU apagar e sim com a intenção de preencher um buraco que se formou dentro do seu corpo.
Pois no final: “todos se acostumam com a falta, mas esquecer é IMPOSSÍVEL!

– Ozzim, L.

.razão|emoção.

Você está sempre procurando ou precisando do equilíbrio entre esses dois lados da balança.
Entre porcentagens, a maioria das pessoas não consegue encontrar o 50%, pois a balança sempre pesa mais pra um lado ou mais para o outro.
Pode ser que esse ‘meio termo‘ seja um certo encontro com a felicidadeou não -, se em cada atitude sua você estiver balanceado.


Mas muitas vezes, você é OBRIGADO a optar por um lado só, dá até impressão que um lado comporta uma pena, e o outro uma bola de boliche, e mesmo que você coloque milhões de penas equivalentes ao peso da bola de boliche, vem o vento. As penas se vão.
Ah, a bola de boliche?
Estática.

– Ozzim, L.